KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Após 3 meses de preparação, padre nega batizar primos na hora da cerimônia





Um padre se negou a batizar dois primos de 13 anos minutos antes da cerimônia começar, em Salvador, porque os pais e padrinhos dos adolescentes não são casados na Igreja Católica. No entanto, os meninos foram preparados por cerca de três meses para o batismo e, segundo a família deles, o requisito não foi informado anteriormente.
"Em nenhum momento foi perguntado se nós éramos católicos praticantes, se éramos casados no civil, no religioso. Em nenhum momento. Nem no curso e nem na inscrição. Não foi pedido nenhum documento que a gente fosse casado na igreja", contou o comerciante Antônio de Oliveira Filho, pai de um dos meninos.
O caso ocorreu na Igreja Senhor Bom Jesus dos Milagres, no bairro de Brotas, no último domingo (26). Os adolescentes, um garoto e uma garota, estavam prontos para serem batizados, quando foram surpreendidos pela recusa do padre João Eduardo. Familiares e amigos, incluindo os padrinhos dos meninos, estavam na igreja e esperavam pela cerimônia.
"Para nossa surpresa, o padre, no microfone, ainda antes de finalizar a missa, falou que tinha o batismo marcado naquele dia, que embora estivesse tudo já programado, ele não iria realizar porque os pais e padrinhos não eram casados perante a igreja. Minha filha já estava sendo preparada na catequese da escola da própria igreja já há mais de três meses, assim como meu sobrinho. E seguimos todas as orientações. Teve reunião de pais, teve curso de pais e padrinhos...", contou a publicitária Carolina Matheo, mãe da garota.
A atitude do padre gerou revolta na família. Os pais contam que, durante a preparação para o batismo, cumpriram com todos os protocolos e chegaram a pagar taxas para a realização da cerimônia, que não aconteceu.
"Não estamos contra as leis da igreja. Estamos questionando como foi tratado o assunto pelo padre no momento, espondo tanto as crianças, quantos as pessoas que estavam lá. Chamamos nossa família, as pessoas conhecidas, e ele expôs todo mundo na frente da comunidade. A igreja estava lotada. Acho que devia ter mais de 100 a 150 pessoas. Não tinha nem lugar para sentar", disse Antônio de Oliveira.
Em contato com a reportagem, o padre João Eduardo informou que orientou a família, através da equipe de catequese, que, conforme as regras da religião, os padrinhos deveriam ser casados na Igreja Católica, mas que a recomendação não foi seguida e que ele cumpriu o que a doutrina determina.
Ainda de acordo com o líder religioso, ele já tinha facilitado ao abrir uma exceção para batizar os adolescentes, já que o batismo é dado a crianças de até 7 anos de idade.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco