KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Trabalhadores são resgatados em condição análoga à escravidão em fazenda


Cinco trabalhadores rurais mantidos em condição análoga à escravidão foram resgatados em uma fazenda de eucalipto em Angical, na Bacia do Rio Grande, oeste baiano. A ação ocorreu na Agropecuária Vallas que faz cortes de eucalipto para abastecimento de fornos de frigoríficos e padarias da região. 

 O resgate foi feito por uma força-tarefa do Ministério do Trabalho entre os dias 15 e 20 de abril. Conforme informações do ministério, os trabalhadores recebiam entre R$ 2 e R$ 10 para cada metro de madeira cortada. Eles também tinham que pagar pelas ferramentas usadas. 

O salário alcançado era de R$ 230 por mês. Conforme o inspetor Fidel Vieira, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), os trabalhadores resgatados foram levados às casas deles em Barreiras, na mesma região. Eles receberão três parcelas de Seguro-Desemprego, além dos direitos trabalhistas e indenizações de até R$ 20 mil, de acordo com Lidiane Barros, auditora-fiscal da SRT-BA. Na propriedade rural, a força-tarefa encontrou cadernos com anotações sobre a quantidade de madeira cortada e os compradores do material. 

Os empregados dormiam em alojamentos precários, sem água potável para consumo. Para fazer necessidades fisiológica, eles usavam o mato. Por conta da escassez de alimentos, consumiam carne conservada em sal. Na última quinta-feira (19), o representante da fazenda investigada não compareceu a uma audiência sobre o caso. Na ocasião, ele deveria assinar a carteira de trabalho dos empregados e quitar todos os créditos trabalhistas. Por conta da ausência do representante, o Ministério Público do Trabalho (MPT) ingressou com ação civil pública, com pedido de indenização no valor de R$ 700 mil. 

O MPT ainda solicitou à Justiça do Trabalho a desapropriação da terra, pelo fato de ela ser usada para fins ilícitos. Os relatórios de fiscalização serão encaminhados ao Ministério Público Federal e ao Ibama para investigarem o crime de manutenção de trabalhadores em condições análogas às de escravo, previsto no artigo 149 do Código Penal, e crimes ambientais.  BN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco