KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Brasil levará três anos para retornar ao nível pré-crise


Ao crescer 1% em 2017, a economia brasileira decretou o fim da recessão, e as projeções apontam para uma expansão mais forte a partir deste ano. Mas o estrago feito pelos dois anos seguidos de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro farão com que todo o crescimento registrado até 2020 só sirva para recuperar as perdas deste período. Isso significa que o país só voltará a crescer efetivamente a partir de 2021, tendo perdido seis anos.

— Só voltaremos ao nível de produção pré-crise, de 2014, no ano de 2020 — explica Alessandra Ribeiro, economista da Consultoria Tendências.

Na prática, o país levará mais três anos recuperando sua atividade.

A boa notícia é que, ao contrário de 2017, quando 70% da alta do PIB foram puxados pela expansão recorde da agropecuária devido à supersafra, este ano o crescimento da atividade vai refletir uma melhora mais efetiva do bem-estar das famílias e do setor produtivo, porque haverá aumento do consumo e dos investimentos, segundo analistas.

A liberação do saque das contas inativas do FGTS foi fundamental para o consumo das famílias voltar a crescer, 1%, em 2017, e criou um colchão que ajudará a demanda interna a expandir ainda mais este ano.

— O brasileiro também usou esse dinheiro para pagar dívidas e fazer poupança. Com a previsão de juros e inflação comportados este ano e desemprego caindo com geração de vagas formais, que têm melhores salários, o consumo das famílias ganhará mais força em 2018, e ajudará, ainda, a indústria e a construção civil — analisa Alessandra.

Francisco Pessoa, economista da LCA Consultores, também destaca que a economia vai demorar a alcançar o patamar pré-crise. Nas contas dele, a alta acumulada entre 2017 e 2019 ficará em 7%, insuficiente para recuperar as perdas dos anos de recessão. Mas o analista também vê sinais de mais fôlego na economia, inclusive indiretamente ligados ao ano excepcional da agropecuária no país.

— O bom resultado da agropecuária ajudou muito o combate à inflação, que proporcionou que as pessoas tivessem mais renda para gastar com outras coisas e pressionou a queda mais forte da taxa de juros. Ajudou a economia a entrar em um ciclo ascendente — afirma Pessoa.

A expectativa é que os dados dos próximos trimestres mostrem mais fôlego que os do ano passado, principalmente porque 2017 encerrou com disseminação de taxas positivas. No último trimestre de 2017, o PIB cresceu 2,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, e todos os dez componentes da atividade analisados pelo IBGE tiveram crescimento. Na visão do economista do Itau Artur Passos, essa propagação mostra que a recuperação da atividade está ganhando consistência.

Os dados foram comemorados pelo governo. O presidente Michel Temer disse que, se o PIB crescer 3% ou mais este ano, serão criados três milhões empregos. Já o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, destacou o crescimento “forte e sólido”:

— O investimento está crescendo, o que significa que as empresas estão com dados sólidos e apostando que o Brasil vai crescer fortemente em 2018, porque já estão investindo exatamente visando a atender a esse crescimento.

Em 2017, a indústria ficou estagnada em relação ao ano anterior, enquanto a construção civil registrou tombo de 5%, fechando no vermelho pelo quarto ano seguido. Pelo lado do consumo, os gastos das famílias voltaram a crescer após dois anos, com avanço de 1%, mas os investimentos ainda fecharam no negativo, embora a queda de 1,8% tenha sido menos intensa que as registradas nos dois anos de recessão.

Alessandra, da Tendências, observa que 2018 será o ano em que esses outros elementos que tiveram desempenho moderado deverão se destacar para sustentar o ritmo do PIB.

— Outros motores vão entrar em cena. Serviços, do lado da oferta, e consumo das famílias e investimentos, do lado da demanda. O consumo das famílias vai crescer mais porque temos fundamentos para isso. Temos boa dinâmica do mercado de trabalho em curso e teremos crescimento mais expressivo da massa de renda. Outra variável importante para o consumo é a concessão de crédito, que deve continuar subindo — avalia a economista.

A perspectiva de que a economia continuará a avançar em 2018 é mantida mesmo com a desaceleração observada nos últimos trimestres do ano. De janeiro a março, o avanço havia sido de 1,3% em relação ao trimestre anterior, puxado pelo desempenho da agropecuária, que teve os melhores resultados concentrados naquele período. No quarto trimestre, a expansão foi de apenas 0,1%.

— Esse número, embora seja um número relativamente pequeno, vem depois de altas muito fortes ao longo do ano — destaca José Ronaldo de Souza Jr., diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea.

Para Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, o resultado mostra que há uma tendência positiva na economia:

— O resultado é tímido comparado à nossa ansiedade para ver o país de novo de pé. Mas é uma confirmação de que estamos no caminho certo.

Agência O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco