KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Caixa econômica gastou R$ 17 milhões em festa para funcionários


Caixa gastou R$ 16,6 milhões para reunir, em maio, 6.000 funcionários no estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Encerrado com um micareta do cantor Saulo (ex-banda Eva) e apresentado por artistas de novelas da Globo, o evento foi montado para divulgar as metas da instituição em 2018, algumas bastante austeras: corte de R$ 2,5 bilhões em custos e fechamento de cem agências.

Como noticiou a Folha, o banco levou para a capital federal seus gestores nos 26 estados e os vestiu com a "camiseta 9 da Seleção Caixa", em alusão à Copa e ao lucro operacional líquido de R$ 9 bilhões, almejado para este ano. Para isso, pagou R$ 6,5 milhões por 5.716 passagens aéreas de ida e volta.
Como o evento começou de manhã se estendeu pela noite de 16 de maio, uma quarta, foi necessário pagar R$ 2 milhões por 5.868 diárias de hotel.
Comida e bebidas servidas no estádio consumiram mais R$ 1 milhão. Outros R$ 6,5 milhões foram destinados à montagem da estrutura e à organização do evento, batizado de "Seleção Caixa: em campo pelo Brasil".
Receberam convites diretores, superintendentes, gestores, gerentes-gerais e de filiais da Caixa, o que motivou um protesto de funcionários de menor escalão do lado de fora.

Do lado de dentro, os convidados assistiram a uma palestra motivacional do ex-jogador Cafu que custou R$ 78 mil. A Caixa afirmou à Folha que ele foi chamado para "instigar os participantes sobre o prazer de ser um vencedor".
O evento teve como mestres de cerimônia os atores Bruno de Lucca e Luiggi Barricelli além da apresentadora Renata Fan, cujas participações custaram, respectivamente, R$ 65 mil, R$ 60 mil e R$ 50 mil.
A Folha obteve o detalhamento das despesas por meio da Lei de Acesso à Informação. Na época do evento, a Caixa não forneceu os dados.
O banco não informou quanto pagou pelo show de Saulo, que subiu ao palco por volta das 20h e mesclou sucessos do axé com versos clássicos da música brasileira, a exemplo de "Viver e não Ter a Vergonha de Ser Feliz", de Gonzaguinha. Justificou que o cachê do cantor foi bancado pela Elo Cartões, da qual é acionista —a Elo não se pronunciou.
Os convidados eram quase 100% dos quadros da Caixa, mas houve exceções. Foram chamados o presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, e outros dois dirigentes da instituição; o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), fora três ministros de Temer: Eduardo Guardia (Fazenda), Esteves Colnago (Planejamento) e Joaquim Lima (Secretaria-Geral da Presidência).
A Caixa afirmou que o evento foi uma "reunião de trabalho" para apresentar aos gestores "novos desafios e valorizar a participação estratégica de cada um na construção dos resultados."
"O conselho diretor da Caixa demandou e foi informado sobre todos os passos envolvidos na organização do evento", afirmou a Superintendência Nacional de Promoção de Eventos.
A Caixa acrescentou que eventos de mesma natureza foram realizados por alguns de seus concorrentes, entre eles o Itaú e o Santander.


Fonte: Bocão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco