KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Bahia recebe primeiro lote de insulina, resultado de parceria com a Ucrânia


A Bahia deu um importante passo rumo à produção de insulinas, nesta segunda-feira (14). O Estado recebeu o primeiro lote do medicamento que passa a ser fornecido pela Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos (Bahiafarma), em parceria com o laboratório ucraniano Indar. 

A distribuição do produto no Nordeste começou a ser realizada também nesta segunda-feira (14), e, no Brasil, o laboratório baiano vai atender 50% da demanda do Ministério da Saúde para as insulinas de maior de uso no País – a Regular (R) e a de ação prolongada (NPH). Os medicamentos usados no tratamento da diabetes abastecerão hospitais, postos de saúde, Unidades de Pronto Atendimento e outros estabelecimentos públicos de saúde. 


O acordo entre Bahiafarma e Indar, celebrado em regime de Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), prevê a instalação de uma fábrica de insulinas no município de Dias D'Ávila, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). A unidade tem previsão de conclusão de 40 meses após o início das obras, previsto para o segundo semestre deste ano. 

Neste período, será realizada a transferência de tecnologia entre os laboratórios ucraniano e baiano. "É um processo extremante complexo, tanto que são poucos os países do mundo que dominam essa tecnologia", explica o diretor-presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias. 

Entre os benefícios, para o País, de deter a tecnologia destinada à produção própria de insulinas, estão a maior segurança no fornecimento e a possibilidade de controle do valor do medicamento, que hoje sofre variações de acordo com a demanda e interesses dos países fabricantes. 

"O início da distribuição da insulina da Bahiafarma e a perspectiva da construção da fábrica, que será a primeira de imunobiológicos no Nordeste, marcam uma mudança de patamar da Bahia e do Nordeste no contexto do Complexo Industrial da Saúde no Brasil", afirma Dias. Ele enfatiza que "a indústria farmacêutica passa a ser um potencial centro indutor de desenvolvimento produtivo não só para o Estado, mas para toda a região."

Acordo

O acordo entre o Governo da Bahia e o Laboratório Indar foi celebrado em agosto de 2017, na Ucrânia, em evento com a presença do governador Rui Costa, e, no mês passado, o Ministério da Saúde publicou, no Diário Oficial da União, a autorização de compra do medicamento, concretizando a PDP entre os Bahiafarma e o laboratório ucraniano. 

Segundo Ronaldo Dias, o primeiro contrato entre a Bahiafarma e o Ministério da Saúde prevê a entrega de 20 milhões doses, distribuídas por todo o País. A quantidade representa aproximadamente 50% do consumo do sistema público de saúde. "A Bahia está sendo pioneira nessa distribuição no sistema público de saúde e em capitanear todo esse polo regional de biotecnologia, que será instalado a partir da fábrica. Isso reforça o trabalho que o governador Rui Costa vem fazendo em transformar os projetos que o Estado apresenta em polos impulsionadores de desenvolvimento".

Quando entrar em funcionamento, a planta de fabricação de insulinas da Bahiafarma será a primeira unidade de produção de imunobiológicos da região Nordeste. A instalação da unidade também representará a reinserção do Brasil no campo de países produtores de insulina e será o único no Hemisfério Sul. Entre os benefícios para o Estado, estão a formação de mão de obra altamente qualificada e a atração de empresas do setor de insumos para a saúde.

Em pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde, o número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8%, entre 2006 e 2016. O número sinaliza que 8,9% da população vive com a doença. Dessa porcentagem, 600 mil brasileiros são portadores de diabetes tipo 1 e dependem do uso regular da insulina. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 10% dos adultos do mundo são diabéticos.

Secom/GOVBA
Fotos: Elói Corrêa/GOVBA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco