KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Diretor de cadeia é preso por facilitar transferência em troca de sexo


O diretor de um presídio de Araçatuba, no interior de São Paulo, foi preso nesta quinta-feira, 12, acusado de trocar vagas na unidade, considerada modelo, por favores sexuais. O suspeito, José Antônio Rodrigues Filho, facilitava a inclusão de detentos no Centro de Ressocialização (CR), unidade prisional de regime mais brando e cobiçada pelos presos, em troca de sexo com uma advogada de Mirassol e com mulheres das famílias dos detentos. 

Além da advogada, que também foi presa, participava do esquema um agente penitenciário, acusado de receber propina dos detentos e de tráfico de drogas. A Operação Fura Fila, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), foi conduzida em conjunto com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), pasta do governo estadual responsável pelo sistema prisional. 

Além dos mandados de prisão, foram cumpridos sete mandados de busca expedidos pela Justiça. De acordo com o promotor Marcelo Sorrentino, do Gaeco, o diretor da unidade é responsável pela triagem dos detentos que vão para o CR. "Ele fazia as entrevistas e decidia quem iria para a inclusão, obtendo vantagens amorosas indevidas", descreveu.

O agente penitenciário aposentado também vinha sendo investigado, desde maio de 2017, por receber propina para facilitar o acesso ao CR. Durante a prisão, ele e seu filho foram flagrados com uma arma de fogo e dez quilos de maconha. Segundo o promotor, as famílias pagavam de R$ 4 mil a R$ 10 mil por uma vaga no CR, conforme suas condições financeiras. A advogada suspeita foi presa em seu escritório, na cidade de Mirassol. A ação mobilizou seis promotores de Justiça, agentes da SAP e 25 policiais militares. 

Em nota, a SAP informou que os servidores envolvidos responderão a processo administrativo, ficando sujeitos a demissão, sem prejuízo do inquérito policial. "A secretaria ressalta ainda que repudia tal comportamento que não representa o corpo funcional e as diretrizes da Pasta", informa. O advogado do diretor, Thiago de Barros Rocha, informou que se manifestará após tomar conhecimento de toda a denúncia. A advogada, o agente e o filho presos não tiveram os nomes divulgados.

Fonte: Noticias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco