KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Homem que deu 17 facadas em mulher desconfiou de traição: 'Fui pra matar'


O açougueiro Rafael Soares, de 28 anos, preso em flagrante após golpear a companheira com 17 facadas dentro do Hospital Martagão Gesteira, em Salvador, onde a vítima acompanhava a filha de 11 meses internada com câncer, relatou que foi ao local com intenção de matar a mulher porque desconfiou que ela estivesse o traindo.

Ele foi apresentado pela polícia, na tarde desta segunda-feira (19), na Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam), em Brotas, e ainda destacou que não se arrepende do crime. “Eu fui pra matar, e a sorte é que ela está viva. Se ela está viva, ela dá graças a Deus. E não estou nem um pouco arrependido”, disse o homem à imprensa.

Rafael foi levado para unidade policial logo após a tentativa de homicídio, que ocorreu na manhã desta segunda. Conforme a polícia, o homem entrou no hospital alegando que iria substituir a companheira, Alana de Oliveira, de 24 anos, para que ela pudesse ir para casa, enquanto ele ficaria com a filha de 11 meses, que está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A criança está internada há 70 dias.

Logo após desferir as facadas em Alana, Rafael foi contido por seguranças do hospital e, após a chegada de uma equipe da Polícia Militar, foi conduzido para a Deam. Alana, segundo a polícia, convive com Rafael há nove anos e tem três filhos com ele -- todos menores de idade.


À polícia, Rafael Soares disse que já vinha há algum tempo desconfiando da mulher. “Ele disse que descobriu que ela estava traindo ele é que, por isso, foi hoje ao hospital premeditado, já com intenção de matar ela. Ele éclaro no depoimento, foi realmente com intenção de tirar a vida dela”, disse a delegada Aída Burgos.

Conforme a polícia, Rafael e Alana são conviviam juntos há 9 anos. Após ser agredida, Alana recebeu os primeiros socorros de uma equipe do Martagão Gesteira e depois foi encaminhada para o Hospital Geral do Estado (HGE), com ferimentos graves. Ela passou por uma cirurgia, e não há detalhes do estado de saúde dela.

O suspeito foi denunciado por homicídio, com agravante de feminicídio e será encaminhado para o presídio de Salvador. A polícia disse que já pediu à justiça a conversão da prisão em flagrante dele em prisão preventiva, sem prazo para expirar.

Caso

Alana foi atacada pelo ex-companheiro no hospital onde acompanhava a filha mais nova, uma criança de 11 meses que está em tratamento contra um câncer, no Hospital Martagão Gesteira.

A delegada Aída informou que Rafael Soares foi para o hospital e quando chegou lá disse na portaria que iria substituir a companheira, que estava acompanhando. Ele entraria no hospital e ficaria no local para que Alana pudesse ir para casa.

Segundo a polícia, o suspeito entrou no local com uma faca escondida na mochila. “Ele pegou a faca na casa da mãe, sem que ela percebesse. A mãe não sabia de nada. Foi para o hospital premeditado a matar”, disse.

Conforme a polícia, no entanto, o suspeito, quando já estava no quarto com a companheira, esperou uma enfermeira sair do local e atacou a vítima. A enfermeira fi ouvida pela polícia.

“Não houve discussão. Ele chegou, esperou a enfermeira sair e atacou a companheira. Deu cerca de 17 facadas nela”, disse a delegada.

Em entrevista à TV Bahia, a mãe de Rafael relatou que o filho, que açougueiro, saiu de casa dizendo que ia trabalhar, mas que desviou o caminho para ir até a unidade de saúde onde estava a vítima.

"Ele saiu para trabalhar e desviou do trabalho para poder ir para lá para o hospital, subiu para poder esfaquear ela, a mãe da filhinha dele que está no leito de um hospital. Só Deus é quem sabe a saúde da menina", afirmou Maria Soares.

Em fevereiro, ela registrou uma queixa contra ele por agressão. Na ocasião, conforme a polícia, ele ficou irritado porque ela queria terminar o relacionamento com ele. A polícia informou que, após a denúncia, ofereceu a ela medida protetiva mas Alana não aceitou por causa da filha que está internada.

“Ela recusou a medida protetiva, que é uma opção da mulher, porque na época disse que precisava do apoio dele para cuidado da filha doente. Além disso, depois da denúncia não compareceu mais à delegacia. A gente orienta as mulheres que além de denunciar é preciso também comparecer mais vezes”, disse a delegada.

Fonte: G1/Bahia
Fotos: Alan Alves/G1 e Vanderson Nascimento/TV Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco