KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Balas usadas para matar Marielle são de lote vendido à PF em 2006


A Polícia Civil rastreou a origem da munição usada pelos criminosos para assassinar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Pedro Gomes, na noite de quarta-feira, no Rio de Janeiro. De acordo com informações do RJTV, da TV Globo, as balas disparadas por uma pistola calibre 9mm pertenceram a lotes vendidos para a Polícia Federal de Brasília em 2006. A partir de agora as polícias Civil e Federal vão iniciar investigação para saber se houve desvio do material o como isso ocorreu.

Segundo a investigação, os lotes de balas foram vendidos à PF pela empresa CBC no dia 29 de dezembro de 2006, com as notas fiscais número 220-821 e 220-822. Na tarde desta quinta-feira, a polícia já sabia que os criminosos fizeram 13 disparos contra o carro da vereadora: nove na lataria e quatro no vidro.

A morte de Marielle

A vereadora a foi morta com três tiros na cabeça e um no pescoço quando ia para casa, de carro, com o motorista Anderson Gomes, de 39 anos, assassinado com três tiros pelas costas. Uma assessora, que estava ao lado de Marielle, sobreviveu e prestou depoimento à polícia.

Até a noite desta quinta-feira, a polícia sabia também que, na altura da Praça da Bandeira, na Rua Joaquim Palhares, um Chevrolet Cobalt prata emparelhou à direita do veículo em que Marielle seguia. Um dos ocupantes disparou contra a parlamentar, atingindo o vidro e parte da porta traseira direita do automóvel. O carro onde estava a vereadora andou mais alguns metros, e os assassinos fugiram. Marielle e Gomes morreram imediatamente. A assessora foi atingida só por estilhaços e prestou depoimento ainda de madrugada, por cinco horas.

Fonte: Portal MSN/Veja
Foto: Divulgação/PSOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco