KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Brasil alcança maior número de queimadas em um ano desde 1999


Mesmo sem ter chegado ao fim, 2017 já é o ano com maior número de queimadas durante toda a série histórica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que registra os dados desde 1999. De acordo com um levantamento feito pelo G1, o órgão verificou a existência de 270.479 focos de incêndio este ano. Em comparação com 2016, já existe um aumento de 44%. Um dos meses que mais contribuiu para o recorde foi setembro, quando 110.988 pontos de calor registrados, o equivalente a cerca de 40% do total para 2017. O ano com maior número de queimadas até então era 2004, com 270.295 focos registrados. Na avaliação de Alberto Setzer, responsável no Inpe por coordenar o monitoramento de queimadas no país, a falta de fiscalização e a estiagem em diversos pontos do país foram os principais fatores que contribuíram para o recorde. Por outro lado, ele entende que em 2018 o número deve apresentar uma queda. "Em geral, do ponto de vista do clima, é difícil ter anos consecutivos com o mesmo padrão. Então é esperado que 2018 seja mais úmido, mesmo sendo complicado prever. Mas mais que isso, quando há muitas queimadas, a vegetação seca é consumida. Então a matéria orgânica disponível para a queima diminui muito", afirmou Setzer em entrevista ao G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco