KATIANE

ENTREVISTA COM JOHANE LEONE, ENDOCRINOLOGISTA
ENTREVISTA COM THAIANNE BARBOSA, NUTRICIONISTA
ENTREVISTA COM DRº CICERO PEREIRA, ESPECIALISTA EM DOR OROFACIAL
ENTREVISTA COM DRª JOHANE LEONE (ENDOCRINOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRªA LARISSA NANI (MASTOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº MAURÍCIO MARQUES (DERMATOLOGISTA)
ENTREVISTA COM DRº MATEUS RIBEIRO (PSICÓLOGO E COACH)
ENTREVISTA COM DRº CÍCERO (CLÍNICO GERAL)

Quase 1.200 equipamentos de som são destruídos em Feira de Santana

O combate à poluição sonora tem sido realizado pela prefeitura, através da Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Prevenção à Violência, Superintendência Municipal de Trânsito (SMT), em parceria com a Polícia Militar (PM), Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário.

Um total de 1.126 equipamentos de som foram destruídos nessa quinta-feira (9), na Praça do Fórum, em Feira de Santana. A ação fez parte do Programa Feira quer Silêncio, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Segundo o secretário Sérgio Carneiro, a maioria dos equipamentos destruídos era paredão de som, utilizados em automóveis. Um trator passou por cima e esmagou todo o material. Os demais equipamentos, caixas de sons por exemplo, foram doados para instituições.

“Os equipamentos que foram destruídos são aqueles que foram apreendidos, e as pessoas não tiveram o interesse em recuperá-los. Não é justo que a gente fique a vida toda guardando esses equipamentos. Nós não temos espaço para isso. Queremos mandar um recado para a população: ‘Se tiver um equipamento de som, veja como usá-lo, a quem vai emprestá-lo e a quem vai alugá-lo. Porque se o equipamento for apreendido e a pessoa não recuperá-lo agora, pela nova lei, em 30 dias, o município fará um chamamento público por mais 30 dias, agora não mais esperando 3 ou 4 anos. Após 60 dias, a prefeitura já poderá doar a uma entidade filantrópica ou fazer a destruição”, afirmou o secretário.

Ainda de acordo com Sérgio Carneiro, quando um aparelho de som é apreendido pelo crime de poluição sonora, para ele ser devolvido, a Justiça determina o pagamento de uma multa ou a realização de serviços prestados à comunidade.
Em Feira de Santana, para retirada do aparelho, o valor cobrado pela multa é de um salário mínimo. A metade desse valor é destinada para a secretaria para o ressarcimento do serviço de guarda e vigilância do aparelho e a outra metade é destinada para uma instituição de caridade. Aqueles aparelhos que não são destruídos e podem ser utilizados por entidades filantrópicas serão encaminhados para doação em solenidade realizada até o final do mês pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho.

O combate à poluição sonora tem sido realizado pela prefeitura, através da Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Prevenção à Violência, Superintendência Municipal de Trânsito (SMT), em parceria com a Polícia Militar (PM), Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário.

Fonte: Acorda Cidade
Fotos: Ed Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Líder Notícias - O seu canal de informação! © 2013 - 2018 | Desenvolvido por Junior Pacheco